domingo, 15 de outubro de 2017

A força do Professor.( homenagem ao Dia do Professor)


Um guerreiro sem espada
sem faca, foice ou facão
armado só de amor
segurando um giz na mão
o livro é seu escudo
que lhe protege de tudo
que possa lhe causar dor
por isso eu tenho dito
Tenho fé e acredito
na força do professor.

Ah... se um dia governantes
prestassem mais atenção
nos verdadeiros heróis
que constroem a nação
ah... se fizessem justiça
sem corpo mole ou preguiça
lhe dando o real valor
eu daria um grande grito
Tenho fé e acredito
na força do professor.

Porém não sinta vergonha
não se sinta derrotado
se o nosso pais vai mal
você não é o culpado
Nas potências mundiais
são sempre heróis nacionais
e por aqui sem valor
mesmo triste e muito aflito
Tenho fé e acredito
na força do professor.

Um arquiteto de sonhos
Engenheiro do futuro
Um motorista da vida
dirigindo no escuro
Um plantador de esperança
plantando em cada criança
um adulto sonhador
e esse cordel foi escrito
por que ainda acredito
na força do professor.

- Bráulio Bessa.

sábado, 14 de outubro de 2017

Saúde: as doenças e os problemas emocionais.



As pessoas não mais conseguem digerir seus problemas, daí surgem as gastrites; não engolem situações, então vêm os refluxos; andam com medo da vida, lá vem a Síndrome do Pânico. Os problemas as atordoam, abre-se espaço para as labirintites; esquentam a cabeça, dá nas enxaquecas. Os diagnósticos se atualizam, trocam de nome, mas o redemoinho da existência é um só. O homem é um fenômeno de adaptação.

Marcio Leite ( Médico e Escritor)
   

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Recomeçar

Hoje, destaco esse belo poema.

Recomece

Quando a vida bater forte
e sua alma sangrar,
quando esse mundo pesado
lhe ferir, lhe machucar,
é hora do recomeço.
Recome a lutar!
Quando tudo for escuro
e nada iluminar,
quando tudo for incerto
e você só duvidar,
é hora do recomeço.
Recomece a acreditar!
Quando a estrada for longa
e seu corpo fraquejar,
quando não houver caminho
nem um lugar para chegar,
é hora do recomeço.
Recomece a caminhar!
Quando o mau for evidente
e o amor se ocultar,
quando o peito for vazio
e o abraço faltar,
é hora do recomeço.
Recomece a amar!
Quando você cair
e ninguém lhe amparar,
quando a força do que é ruim
conseguir lhe derrubar,
é hora do recomeço.
Recomece a levantar!
E quando a falta de esperança
decidir lhe açoitar,
se tudo que for real
for difícil suportar,
mais uma vez é hora do recomeço.
Recomece a sonhar!
É preciso um final para poder recomeçar,
como é preciso cair para poder se levantar.
Nem sempre engatar a ré
significa voltar,.
Reúna quem lhe quer bem,
reconforte um sofredor,
reanime quem ta triste
e reaprenda na dor.
Recomece , se refaça,
relembre o que foi bom,
reconstrua cada sonho
redescubra algum dom,
reaprenda quando errar,
rebole quando dançar.
Se um dia lá na frente
a vida der uma ré,
recupere a sua fé
e recomece novamente.

     Braulio Bessa
             Poeta

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Som do vento

 

 Ouço o som
do vento batendo
nas tenras flores
do meu jardim.

Imagino o que elas sentem
com o roçar do vento
em suas pétalas delicadas

Ao observar a cena da janela
No anoitecer desta quarta-feira
Sinto o quanto a natureza
é misteriosa e perfeita.

Amanhã, as flores estarão
com as cores mais vivas
embelezando o jardim.
Com o vento leve
que as acariciou....

e a brisa da manhã
que embelezou as pétalas.

             (luizammanfredi)
   Editada e publicada no Recanto das Letras

           04/10/2017
            20 h e 03 min


sábado, 30 de setembro de 2017

Homenagem à todos os idosos

   DIA 01 DE OUTUBRO....
D ata tão importante mas que esquecemos tão facilmente...
I nfelizmente também os idosos nem se lembram do seu dia...
A ceitam ser lembrados que são queridos em qualquer data!!!
D ar amor e carinho aos netos é uma obrigação deles, mas...
O s pais que muitas vezes dependem até mesmo de cada avô...
S ão esquecidos ou se fazem de esquecidos, por conviniência???
V ejo quantos deles são deixados nos asilos e cadê seus netos???
O u seus filhos e filhas que foram criados desde pequenos ... e...
V ão se distanciando pois as esposas nem sempre se dão bem...
O u para a esposa sua mãe é sempre a sogra... e de ogra sempre...
S ão verdadeiramente carentes de amor e muitas vezes de algo mais???
O nde nós filhos aos poucos achamos que no asilo serão felizes...
U m dia com certeza se lembre que um dia também serás avô ou avó???
D eus nos deu com certeza livre arbitrio de dar aos idosos nosso apoio...
O nde a eles não importa o dinheiro, pois geralmente eles tem quase tudo!!!
I nfelizes por não poderem ter sua presença constante devido o trabalho...
D e onde vem os seus parcos rendimentos e de repente tu desempregado...
O nde quem te ajuda é aquele velhinho que ganha a sua aposentadoria...
S endo eles os velhinhos que acabam te ajudando por meses a fio e tu...
O nde consegues um novo emprego nem devolve algo que eles gastaram???
S ou eu o avô de 4 netos, uma de 23, 9 , 3 , 1 aninhos e sou muito feliz!!!
-" Aprendi que não devo depender deles e nem ser babão!!!"
                   Autor:  Poeta Ivo Ogata Takio


           "Feliz quem ainda tem os pais ou avós para curtir"

                                  (luizammanfredi)

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Primavera fria....

    Chegou a Primavera...

     Com chuva e frio aqui no sul.
     A chuva era necessária, já estava faltando água
     para as plantas, flores e daqui uns dias racionamento
     Mas, este frio congelante, não estava previsto.....
     Enfim, vamos achar o lado bom de tudo.
     Excelente para dormir, mas isso, só para os aposentados.
     Quem ainda está na ativa, tem que enfrentar as intempéries.
     Tempo bom para estar ao lado de quem se ama
     a família,  filhos e netos.   O namorado, quem tiver
     Tempo bom para tomar um bom vinho, degustar guloseimas
      e namorar....

                                (luizammanfredi)



sábado, 16 de setembro de 2017

A Lenda da “Orquídea Luizinha”.


A Lenda da “Orquídea Luizinha”.

Em uma cidade chinesa existia uma jovem chamada *Hoan Lan*, que divertia-se em fazer penar suas paixões
aos seus numerosos adoradores.
Por um sorriso, o jovem Kien Fu tinha cinzelado o ouro mais fino e trabalhado com paciência lindas peças de jade. A ingrata, após se adornar com todos os presentes do nobre apaixonado, riu-se dele e o desprezou.
Kien Fu, desesperado, acabou com a própria vida atirando-se ao Rio Vermelho.

O pintor Nguyen Ba conseguiu obter cores desconhecidas para pintar o retrato de sua amada.
Esta, porém, depois de ter exibido para a satisfação de sua vaidade a magnífica pintura, desprezou o artista que desapareceu para sempre no mistério das selvas.

Mai Da, apaixonado também, quis patentear seu amor à jovem volúvel, inventando um perfume delicioso somente digno dos Anjos.
A ingrata perfumou-se e mandou pôr na rua o seu adorador que, nada mais aspirando na vida, se envenenou.

Cung Le levou sua perseverança a incrustar nácar numa pulseira de ébano que não foi recebida pela ingrata.
O pobre endoideceu.

Mas o poderoso Deus das cinco flechas, Deus que a tudo via e tudo ordenava, julgou que era o momento de castigar tanta maldade, fazendo a jovem volúvel apaixonar-se pelo formoso Mun Cay.

Desde então, *Hoan Lan* sonhava no seu leito de nácar e sedas bordadas com seu adorado, cujo nome esvoaçava sobre seus lábios de carmin como uma borboleta sobre a rosa.
Ao despertar descia à piscina, banhava-se e adornava-se com suas jóias mais preciosas para ver passar seu querido Mun Cay, que nem se dignava a levantar os olhos para ela.

Nunca tinha considerado a formosa jovem, que nem todos são interessados pela fama de beleza que tinha
ardido à sua volta.

Os dias iam passando, e Mun Cay não saía de sua indiferença cruel. Um dia, *Hoan Lan* decidiu sair-lhe
ao encontro e declarar-lhe paixão. “Não me interessas, rapariga” disse ele.
Es como todas as outras, para mim não vales nada.
Se fosses como aquela que eu amo... Aquela sim que é uma Deusa".
tu, mísera *Hoan Lan*, com toda tua vaidade, não serves nem para atar-lhe as fitas das sandálias.
E, com um sorriso desdenhoso, afastou-se.

Em meio de seu desespero, *Hoan Lan* lembrou-se do Deus todo Poderoso que vivia na montanha de Tan-Vien. Talvez ele pudesse lhe valer; apesar da noite escura e chuvosa, a jovem dirigiu-se ao Monte Sagrado, onde residia sua última esperança.

A entrada do Templo subterrâneo era guardada por um terrível dragão.
Suplicou-lhe a concessão de entrada e, ao cabo de muitos pedidos, conseguiu penetrar num extenso corredor,
entre serpentes horríveis que lhe babujavam os pés nus.

Quando chegou junto ao Trono de Onix do poderoso Gênio, prostrou-se e implorou:
- Cura-me, que sofro horrorosamente. Amo Mun Cay que me despreza. -

“É justo o castigo" - respondeu o Genio - pois isso mesmo tens feito aos teus apaixonados.
Oh, Todo Poderoso, tem dó de mim. Concede-me o amor de meu querido Mun Cay.
Sabes bem que não posso viver sem ele.
Vai-te daqui - rugiu o Gênio - nada conseguirás.
0 castigo que pesa sobre ti, foi imposto pelo Kama que tudo sabe.
É justo que sofras. Sai do meu Templo.

À saída, *Hoan Lan* encontrou-se com uma bruxa de pés de cabra. “Formosa jovem” - disse-lhe a bruxa -
sei que és muito desgraçada. Queres vingar-se de Mun Cay? Vende-me a tua alma e juro-te que, embora
Mun Cay não te ame, nunca amará a outra mulher.  *Hoan Lan* voltou à sua casa, que lhe parecia um cárcere. Saía para os bosques a distrair sua pena, mas sempre em vão.
Um dia, vendo ao longe seu adorado Mun Cay, correu para ele e, quando se preparava para abraçá-lo, o jovem foi transformado numa árvore de ébano.
Neste momento apareceu a bruxa que, soltando uma gargalhada, lhe disse:
"Desta maneira o teu amado não pode ser nunca de outra mulher".
"Bruxa infame!" - exclamou chorando, a pobre *Hoan Lan* - o que fizeste a meu adorado?
“Devolva-o ou mata-me”. - "Contratos são contratos" - replicou a bruxa, rindo satanicamente.
"Cumpri o que prometi”. MunCay, embora nunca te ame, não amará a outra mulher. Prometi e cumpri.
“A tua alma me pertence”.
*Hoan Lan*, abraçada ao pé da árvore, clamava desesperadamente a seu tronco imóvel:
“Perdoa-me, Mun Cay”. Fala para mim uma só palavra de amor, de indulgência e compaixão.
Não vês como me arrasto aos seus pés, como te abraço, como sofro?
Mas a árvore nada respondia e a jovem ali ficou por muito tempo….

Uma manhã passou por ali um Gênio que se compadeceu da sua dor.
Acercando-se dela, pôs-lhe um dedo na testa e disse:
Mulher, procedeste muito mal. Foste volúvel até a crueldade e ingrata até a malvadez”.
Mas tua dor purificou a tua alma. Estás perdoada e vais deixar de sofrer.
Antes que a bruxa venha buscar a tua alma, vou transformar-te numa flor.
Ficarás sendo, no entanto, uma flor esquisita e requintada, que dê a impressão do que foi a tua vida maldosa. Quem vir as tuas pétalas facilmente adivinhará o que foi o teu espírito, caprichoso, volúvel, cruel, e a tua preocupação constante pela elegância.
Concedo-te um bem: “não te separarás do bem que adoras e viverás da sua seiva, parasita do teu amado”.
Assim falou o poderoso Gênio.
E, quando falava, a túnica rósea de *Hoan Lan* ia empalidecendo e tornando-se de uma delicada cor lilás.
Os olhos da jovem brilharam como pontos de ouro e as suas carnes tomaram a tonalidade do nácar.
Os seus formosos braços enrolaram-se na árvore na derradeira súplica.

E assim apareceu a primeira Orquídea do mundo que em seguida foi chamada “Luizinha”.

Recebi do amigo italiano Felice Valtortini.

Barra Velha, 16/09/2017