sábado, 13 de agosto de 2016

Imunidade do tempo....



Agora me tenho atrás das cãs
Não careço engolir tanto sapo
Pois dei início às fases anciãs
Agora é história e outro papo

Justifico-me por já estar senil
Vi-me livre dos chás de fralda
Solenidades e a postura servil
No mais a idade me respalda

Adquiri o direito a ter manias
Cometer gafes e ser ranzinza
Já não consideram anomalias
Iminência de tornar-me cinza

Em todo lugar me são solícitos
Poupam-me de filas e esperas
Imune à imputação de ilícitos
Imune às ilusões ou quimeras.


marciopoeta

Publicado no Recanto das Letras.

Nenhum comentário: